Milão começa processo de remoção de 'barcos-restaurantes'


Milão quer colocar ordem em seu turismo

Da Ansa
- Agência Italiana de Notícias

A cidade de Milão, no norte da Itália, iniciou nesta terça-feira (3) a remoção dos seus tradicionais navios-restaurantes, que estão ancorados no canal Naviglio Pavese.

O processo de remoção das embarcações começou após o Tribunal Admnistrativo Regional (TAR) de Milão rejeitar o último recurso apresentado pelos proprietários dos barcos.

De acordo com as autoridades locais, a admnistração dos barcos era "abusiva" e eles ocupavam uma área não autorizada pelo Estado. Além disso, os restaurantes flutuantes eram incompatíveis com as restrições ambientais.

"Ainda há um apelo pendente, é verdade que não obtivemos a suspensão solicitada em julho, mas o recurso ainda está em andamento, não foi discutido, então, o município não poderia ter removido antes da audiência sobre o assunto", afirmou Riccardo Rossi, proprietário da pizzaria flutuante "Frank Pummarola" A operação de remoção irá durar até sexta-feira (5) e já mobiliza dezenas de pessoas. Os navios ficarão confiscados em um depósito localizado na via Novara.

Além de perderem a embarcação, os proprietários dos barcos-restaurantes precisarão pagar a taxa de remoção, que custará por volta de 120 mil euros, e outras taxas relacionadas a mão de obra para a retirada dos navios.